domingo, 18 de fevereiro de 2018

HISTÓRIA DO SORVETE


   
Um dos alimentos mais consumidos no planeta, o sorvete, por incrível que pareça, surgiu muito antes da primeira geladeira. Sua origem é cheia de controvérsias e lendas, mas a versão mais aceita atribui sua autoria aos chineses, por volta de 1000 a.C, quando, talvez, algum cozinheiro criativo experimentou usar flocos de neve para produzir uma iguaria diferente. Animados com o resultado, ao longo dos séculos, foram experimentando...  Um outro resolveu colocar uma pasta de leite de arroz e especiarias na neve para que solidificasse, e por aí foi.
   
Alguns pesquisadores afirmam que foi Alexandre, o Grande (356-323 a.C.), rei da Macedônia, o introdutor do sorvete na Europa, trazendo do Oriente uma mistura de salada de frutas embebida em mel que era guardada em potes de barro enterrados no chão e mantidos frios com a neve do inverno. Outra corrente de pesquisadores atribui esse feito aos árabes, que teriam aperfeiçoado a receita chinesa com o desenvolvimento da técnica de incorporar a neve ao suco de frutas e ao mel. Até então, a receita primitiva apenas acrescentava os ingredientes à neve, produzindo algo muito semelhante às atuais "raspadinhas". Turcos e árabes garantem que "sorvete" é uma palavra de origem árabe, procedente de sharbat, que significa "bebida fresca".
   
O fato é que diversos registros comprovam o consumo do sorvete na Antigüidade. Babilônios, egípcios, gregos e romanos deliciaram-se com esta guloseima fria cuja preparação, entretanto, era muito complicada e cara, o que fazia do sorvete um prazer para poucos, só desfrutado por reis e pessoas privilegiadas da época. Exigia que se trouxesse neve do alto das montanhas, que ela fosse armazenada em buracos na terra revestidos de madeira onde o gelo era comprimido e coberto com palha para que se conservasse.
   
Marco Pólo também trouxe sorvete da China
   
Com a decadência da cultura antiga, entretanto, o consumo do sorvete se perdeu no tempo, até o final da Idade Média, época em que volta à cena por obra, dizem alguns historiadores, do mercador veneziano Marco Pólo que, em 1295, teria trazido da China, junto com o macarrão e o arroz, algumas receitas de sorvete à base de água, muito parecido com os atuais.
   
Outros autores acreditam que o sorvete tenha chegado à Itália pela Sicília, ao sul, trazida pelos árabes que dominaram a ilha no século 9.  Provavelmente, tenha acontecido das duas formas.
   
O que conta mesmo é que o sucesso foi total. Difundiu-se por toda a Itália, entre a realeza e a aristocracia italianas que logo adotaram os gelados de fruta como um prato de luxo, cujo preparo era considerado uma sofisticada arte. Através dos mestres sorveteiros italianos, que guardavam com extraordinário cuidado suas receitas, o conhecimento dos gelados difundiu-se lentamente pelas cortes européias, mantendo-se um privilégio exclusivo dos poderosos.
   
Chegou à França em 1533, com Catarina de Médici que, ao se casar com o rei francês Henrique II, levou em sua bagagem receitas e chefes de cozinha que lhe serviam, diariamente, sorvetes dos mais diversos sabores de frutas. A neta de Catarina de Médicis casou-se em 1630 com Carlos I da Inglaterra e, segundo a tradição da avó, também introduziu o sorvete entre os ingleses. Em Portugal, o sorvete chegou durante o período de dominação espanhola (1580-1640) e faziam sucesso as bebidas nevadas, embora fosse difícil e caro trazer neve da Serra da Estrela para a corte em Lisboa. Por volta de 1715, no reinado de D. João V, havia inúmeros fabricantes de sorvete na capital portuguesa.
   
Em 1550, Blasius Villafranca, físico espanhol radicado na cidade italiana de Florença, descobriu ser mais fácil congelar a mistura de suco de frutas e especiarias juntando azotato de potássio (salitre) à neve (técnica já conhecida dos chineses desde o século 12). Essa descoberta deu origem ao que poderia ser chamada de primeira sorveteira da História: dois recipientes de madeira  e estanho - um maior, dentro do qual se colocava a mistura de neve, sal e salitre, e outro menor, que recebia os ingredientes que, depois de batidos, virariam sorvete. Com este rudimentar equipamento e utilizando um método difícil, Villafranca acabou legando aos florentinos a honra de produzir os primeiros a sorvetes completamente solidificados da História e ampliaram a produção democratizando um pouco o consumo do produto.

O leite entra na receita
   
Segundo a Grande Enciclopedia Illustrata della Gastronomia (Selezione dal Reader's Digest, Milão, 2000), até meados do século 16, o sorvete continuava a ser preparado com água, ou seja, sem leite ou ovos. Só um século mais tarde, em 1671, na Inglaterra, o leite ou seu creme, ovos e aromatizantes foram incorporados ao sorvete pelo francês DeMirco, pâtissier do rei Carlos II que, diante de uma novidade tão espetacular, tornou ilegal o consumo da iguaria fora da corte real e, dizem, para se garantir, até morrer, em 1685, pagou royalties ao chef pela criação, para que esta fosse exclusividade da sua mesa.
   
Não se sabe ao certo se o chef DeMirco cumpriu sua palavra, mas, morto o rei, o segredo não durou muito. Um ano depois, 1686, o siciliano Francesco Procópio dei Coltelli inaugurava, em Paris, o Café Le Procope, a primeira cafeteria e sorveteria da cidade (que funciona até hoje), tornando o sorvete uma delícia acessível a todos que quisessem e pudessem pagar por ela. A casa oferecia 80 variedades, produzidas com uma máquina inventada por Procópio, que homogeneizava os ingredientes gerando um sorvete muito similar ao que conhecemos hoje.
   
A primeira sorveteria da Inglaterra foi aberta em 1757, na  Berkeley Square, Londres, pelo chef-pâtissier italiano Domenico Negri, com o nome de Pot & Pine Apple.
   
Em 1768, é publicada na França "A Arte de se Fazer Sobremesas Geladas", (L´art de bien faire les glaces d´office) . Primeira publicação no Ocidente que revelava receitas e explicações teológicas e filosóficas para o fenômeno do congelamento da água e fabricação de sorvetes. Os árabes num de seus tratados antológicos de cozinha, escrito no século 11, por Wusla Hila al Habib, já dedicava uma seção inteira ao sorvete.

A  delícia gelada cruza o Atlântico

O sorvete chegou aos Estados Unidos em 1770, levado pelo italiano Giovanni Bosio, e conquistou o paladar dos norte-americanos rapidamente. Lá, a história dos sorvetes ganhou importantes capítulos e o país se transformou no principal produtor e maior consumidor desta iguaria no mundo.
      
Em 1846, a norte-americana Nancy Johnson inventou um congelador que funcionava com uma manivela que, quando girada manualmente, agitava uma mistura de vários ingredientes. Na parte de baixo, havia uma camada de sal e gelo, que a congelava. Era a precursora das primeiras máquinas industriais de sorvete.
   
Dois momentos marcaram o desenvolvimento do sorvete nos Estados Unidos e, conseqüentemente, no mundo: o primeiro em 1851, quando o leiteiro chamado Jacob Fussel, para aproveitar o excedente de sua produção de leite, abre em Baltimore a primeira fábrica de sorvetes, produzindo em maior escala e sendo, também, seguido por outros em Washington, Boston e New York; e o segundo, com a invenção, entre 1870 e 1900, da refrigeração mecânica, permitindo a produção de gelo independente do processo natural. É nesse momento, que o sorvete ganha mais espaço na sociedade, passando de um alimento proibido a uma sobremesa comum, presente em nosso cotidiano.
   
Foram sorveteiros norte-americanos que, no fim do século 19, criaram três receitas, o sundae, a banana split e o ice cream soda, que fazem sucesso até hoje e são ícones da cultura do país. Em 1904, durante a Feira Mundial de St. Louis, outro acontecimento inusitado resultou na invenção da casquinha. Um sorveteiro, vendo esgotar-se o estoque de pratos, resolveu servir seu produto nos waffles do estande vizinho.
   
Já o picolé foi inventado em 1905, na Itália, por um menino de 11 anos chamado Frank Epperson, que esqueceu no quintal um copo de refresco com uma colher dentro durante uma noite de inverno. De manhã, ele notou que a bebida e a colher haviam congelado juntas. Em 1920, um fabricante de Ohio, Harry Burt, pôs a venda o primeiro picolé dos Estados Unidos. No mesmo ano, Christian Kent Nelson lança o Eskimo Pie, o primeiro picolé recoberto de chocolate norte-americano.
Em 1938, J. F. McCullough e seu filho Alex McCullough inventaram um tipo de sorvete mais leve. Eles descobriram que misturando os ingredientes antes do congelamento, o sorvete ficaria muito mais leve e saboroso.

No Brasil

Foram os cariocas os primeiros brasileiros a experimentar a delícia gelada que já fazia sucesso em boa parte do mundo. No dia 23 de agosto de 1834, Lourenço Fallas inaugurava na cidade do Rio de Janeiro, na época a Corte real portuguesa, dois estabelecimentos - um no Largo do Paço e outro na Rua do Ouvidor - especialmente destinados à venda de gelados e sorvetes. Para isso, importou de Boston (EUA), pelo navio americano Madagascar, 217 toneladas de gelo, que aqui foi conservado envolto em serragem e enterrado em grandes covas, mantendo-se por 4 a 5 meses. Não demorou muito para os sorvetes brasileiros ganharem um toque tropical, misturados a carambola, pitanga, jabuticaba, manga, caju e coco.

Na época, não havia como conservar o sorvete gelado, por isso ele tinha que ser consumido logo após o preparo. Por isso, as sorveterias anunciavam a hora certa de tomá-lo.
  
Em São Paulo, a primeira notícia de sorvete que se tem registro é de um anúncio no jornal A Província de São Paulo, de 4 de janeiro de 1878, que dizia: "Sorvetes - todos os dias às 15 horas, na Rua direita nº 14".

No Brasil, antes do sorvete, as mulheres eram proibidas de entrar em bares, cafés, docerias, confeitarias... Para saboreá-lo, entretanto, a mulher praticou um de seus primeiros atos de rebeldia contra a estrutura social vigente, invadindo bares e confeitarias, lugares ocupados até então quase que exclusivamente pelos homens. Por isso, entre nós, o sorvete chegou a ser considerado o precursor do movimento de liberação feminina.

A evolução do sorvete no Brasil, deu-se a passos curtos, de forma artesanal, com uma produção em pequena escala e em poucos locais. A distribuição em escala industrial no País só aconteceu a partir de julho de 1941, quando, nos galpões alugados da falida fábrica de sorvetes Gato Preto, na cidade do Rio de Janeiro, foi fundada a U.S. Harkson do Brasil, a primeira indústria brasileira de sorvete. Contava com 50 carrinhos, quatro conservadoras e sete funcionários. Seu primeiro lançamento, em 1942, foi o Eski-bon, seguido pelo Chicabon. Seus formatos e embalagens são revolucionários para a época. Dezoito anos mais tarde, a Harkson mudou seu nome para Kibon.

Desde então, a população foi se tornando cada vez mais adepta: Dados da Associação Brasileira das Indústrias de Sorvetes (ABIS) apontam que 957 milhões de litros de sorvete foram produzidos no Brasil até o final de 2008. Mesmo assim, apesar do clima tropical tão propício ao consumo do sorvete, a taxa nacional per capita é de 4,98 litros/ano, baixo se comparado aos países nórdicos, de clima frio, onde se toma sorvete o ano inteiro e o consumo gira em torno de 20 litros por pessoa. Para incentivar o consumo do sorvete no Brasil durante todo o ano, e não só no verão como é hábito no País, a ABIS instituiu, desde 2003, o dia 23 de setembro como o Dia nacional do Sorvete.



sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

TORTINHAS FIT DE ABACATE E CACAU


Ingredientes:
- Massa:
1 xícara de  tâmaras
1 xícara de nozes
1 xícara de  coco ralado
1 colher (chá) essência de baunilha
2 paus de canela

- Creme:
1 abacate grande maduro
4 colheres (sopa) açúcar demerara
2 colheres (sopa) cacau em pó
1 colher (chá) essência de baunilha
½ xícara da água da hidratação das tâmaras






Modo de Preparo:
- Para a Massa:
Cobrir as tâmaras com água quente, acrescentar a baunilha e a canela. Deixar hidratando por uma hora. Reservar o líquido da hidratação das tâmaras, descartando os paus de canela. Bater em um processador as tâmaras até virar um creme homogêneo, acrescentar as nozes e o coco ralado. Processar bem, até virar uma massa homogênea que não grude nas mãos. Dividir a massa em 6 porções e cobrir o fundo e as laterais de 6 forminhas de fundo removível. Reservar.

- Para o Recheio:
 Bater no processador o açúcar demerara com a água das tâmaras. Em seguida acrescentar o abacate, a essência de baunilha e o cacau. Processar até ficar uma pasta homogênea, sem pedaços de abacate. Encher as forminhas, que já estão com a massa, com este creme e levar para gelar por pelo menos 4 horas. Após este período, desenformar com cuidado e decorar a gosto (sugestões: morangos frescos, uvas sem sementes, nozes e lascas de coco fresco).

Observação: bati o abacate no processador com o açúcar, o cacau e um pouco de suco de limão, conforme foto.


quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

BOLO MÁRMORE DE CENOURA


Ingredientes:
- Para o Bolo:
1 cenoura grande
2 ovos
¾ de xícara (chá) de açúcar
½ xícara (chá) de óleo
1 xícara (chá) de farinha de trigo
½ colher (sopa) de fermento em pó
¼ de xícara (chá) de cacau em pó
1 pitada de bicarbonato de sódio
QB de manteiga e farinha de trigo para untar e polvilhar a fôrma

- Para uma cobertura de chocolate:
100 g de chocolate meio amargo
⅔ de xícara (chá) de açúcar de confeiteiro
2 colheres (sopa) de água filtrada




Modo de Preparo:
- Para o Bolo:
Preaqueça o forno 180ºC (temperatura média). Unte com manteiga uma fôrma para bolo inglês de 22 cm x 10 cm. Polvilhe com farinha e chacoalhe bem para espalhar. Bata sobre uma pia para retirar o excesso.

Lave, descasque e passe a cenoura por parte grossa do ralador - assim como a massa do bolo fica bem lisinha na hora de bater.

Numa tigela pequena quebre um ovo de cada vez e transfira para o liquidificador - se um está estragado não perde uma receita. Junte a cenoura ralada, o açúcar, o óleo e bata bem até ficar liso.

Transfira a mistura líquida para uma tigela e acrescente a farinha, aos poucos, passando pela peneira. Mexa delicadamente com o batedor de arame a cada adição para incorporar. Por último, misture o fermento.

Em outra tigela menor, separe ⅓ da massa de bolo (cerca de 1 xícara). Acrescente o cacau, passando pela peneira, o bicarbonato e misture bem com o batedor de arame - é essa massa de chocolate que vai deixar o bolo marmorizado.

- Para o bolo ficar marmorizado: transfira a massa da massa de cenoura para a fôrma; Com uma colher, distribua porções da massa de chocolate e cubra com o restante da massa de cenoura. Passe uma faca por toda a massa, fazendo o movimento de ziguezague para mesclar.
Leve ao forno para assar por cerca de 40 minutos. Espete um palito na massa para verificar: se sair limpo, está pronto; Caso contrário, deixe assar por mais alguns minutos. Retire do forno e deixe esfriar por 15 minutos antes de desenformar, enquanto isso prepare uma cobertura.

- Para uma cobertura de chocolate:
Leve uma panela pequena com um pouco de água ao fogo médio - ela vai servir de base para o banhomaria. Pique o chocolate em pedaços pequenos e transfira para uma tigela de vidro (ou inox).

Encaixe a tigela sobre uma panela com água fervente e mexa com uma espátula até o derrame de chocolate completamente - ela não deve encostar sem fundo da tigela, ou transformar o chocolate em derreter com o vapor.

Junte o açúcar e mexa bem até ficar liso. Acrescente a água aos poucos, mexendo a cada adição. Com uma concha, espalhe uma cobertura sobre o bolo e deixe esfriar antes de servir - uma cobertura com uma casquinha na superfície e macia por dentro.

Observação: dupliquei a receita, conforme fotos.

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

RECEITA DE BRÓCOLIS COM CREME DE QUEIJO


Ingredientes:
100g de Brócolis
1 cebola roxa
80g de queijo parmesão ralado
100g de creme de leite
5g de curry em pó
1 pitada de sal
1 pitada de pimenta do reino
20ml de óleo de girassol




Modo de Preparo:
Em uma panela com água fervente, cozinhe as árvores de brócolis por 10 minutos, até que estejam macias. No final escorra e reserve.
Em uma frigideira ao fogo médio com um pouco de óleo, cozinhar a cebola picada até ficar transparente. Acrescente o curry, que irá conferir mais cor e sabor, e cozinhe mais alguns minutos.
É hora de adicionar o brócolis, temperar com sal e pimenta, e saltear até que fiquem ligeiramente dourados.
Adicione o creme de leite e misture muito bem. Quando ferver, baixe o fogo e acrescente o queijo parmesão, cozinhe por mais 3 minutos e corrija o sabor com sal e pimenta.

Fonte: https://www.tudoreceitas.com/receita-de-brocolis-com-creme-de-queijo-1779.html

sábado, 10 de fevereiro de 2018

SPUMONI DE MELANCIA

    
Ingredientes:
4 xícaras (chá) de suco de melancia
2 pacotes (12g cada) de gelatina sem sabor
1 lata de creme de leite
5 colheres (sopa) de açúcar



Modo de Preparo:
Retire a polpa de ½ melancia e bata no liquidificador sem as sementes e reserve. Dissolva a gelatina conforme a orientação da embalagem. Acrescente o suco de melancia, junte o creme de leite sem soro, o açúcar e bata no liquidificador. Distribua as porções em copos individuais e deixe gelar de um dia para o outro. Sirva gelado. 


quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

MAIONESE DE ABACATE


Por Eliane Contreras

Ingredientes:
1 abacate pequeno maduro
2 colheres  (sopa) de mostarda Dijon
Suco de 1/2 limão
1 pitada de noz-moscada
QB de sal marinho (ou sal rosa)
1/2 dente de alho picado
2 colheres  (sopa) de azeite extra virgem
QB de salsa (opcional)





Modo de Preparo:
Bata os ingredientes no liquidificador (ou mixer) até obter um creme homogêneo (se for necessário, acrescente um pouco de água). Ajuste o sal. Dura até três dias na geladeira.


terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

QUIABO ASSADO CROCANTE


Ingredientes:
400 g de quiabo
1 colher (chá) de gengibre ralado (um pedaço de cerca de 2 cm)
1 dente de alho ralado
2 colheres (chá) de fubá
½ colher (chá) de farinha de trigo
½ colher (chá) de cominho em pó
1 colher (chá) de coentro em pó
½ colher (chá) de pimenta-de-caiena
2 colheres (sopa) de azeite
QB de sal




Modo de Preparo:
1. Preaqueça o forno a 200ºC (temperatura média).

2. Lave e seque bem os quiabos com um pano de prato limpo. Corte cada um ao meio, no sentido comprimento. Numa tigela grande, junte o quiabo com o azeite, o gengibre ralado, o alho, a farinha de trigo e o fubá. Tempere com o cominho, o coentro, a pimenta-de-caiena e uma pitada de sal. Misture bem com as mãos para envolver todas as metades com o tempero.

3. Numa assadeira grande, distribua os quiabos deixando espaço entre cada metade - assim ele fica bem crocante - e leve para assar por cerca de 30 minutos até dourar. Sirva a seguir.


domingo, 4 de fevereiro de 2018

BISCOITO DE GERGELIM


Receita da Tati Lund, do Comida.ORG
Ingredientes:
½ xícara (de chá) de pecan
½ xícara (de chá) de quinoa em flocos
½ xícara (de chá) de farinha de arroz integral
1 colher (de sopa) de gergelim branco cru
3 colheres (de sopa) de melado
3 colheres (de sopa) de óleo de gergelim natural
1 colher (de sopa) de tahine
Pitada de sal





Modo de Preparo:
Preaqueça o forno 180ºC. Processe todos os ingredientes. Asse bem fininho por 5 até 10 minutos.


sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

HAMBÚRGUER DE BERINJELA DE FORNO E SEM GLÚTEN


Ingredientes:
1 berinjela média cortada em cubos pequenos
2 colheres (sopa) de shoyu
1/4 copo de água quente
2 colheres (sopa) de polvilho azedo
1 colher (sopa) de farinha da arroz
2 colheres (sopa) de gergelim torrado
1 colher (café) de pimenta-do-reino
QB de cebolinha e salsinha

- Para pincelar:
1 colher (sopa) de azeite extra virgem de oliva
1 colher (sopa) de shoyu




Modo de Preparo:
Cozinhe a berinjela com água e duas colheres de shoyu por 10 minutos ou até ficar bem macia.
Transfira para um recipiente e coloque o polvilho.
Mexa bem.
Acrescente a farinha de arroz, a cebolinha, a salsinha, a pimenta e o gergelim.
A massa deve ficar bastante úmida,  porém se houver necessidade coloque um pouco mais de farinha de arroz para ajudar a moldar.
Modele e ponha para assar, em fôrma untada, por 15 minutos.
Retire do forno.
Misture uma colher de shoyu com uma de azeite de oliva e pincele os hambúrgeres.
Leve outra vez ao forno por mais 5 minutos.


quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

CREME DE ABACATE COM ABACAXI E IOGURTE


Ingredientes:
1 abacate
1 pote de iogurte desnatado
4  colheres  (sopa) de suco de limão
2  fatias grossa de abacaxi
2  colheres  (sopa) de mel


Modo de Preparo:
No liquidificador, bata todos os ingredientes e leve para gelar.


Super Ofertas para você!